terça-feira, 7 de abril de 2009

Pega ladrão!


Há quase 25 anos atrás, escrevi a crônica abaixo, baseada em "fatos reais".
Ela já foi publicada no "Salada" ainda nos tempos do antigo provedor, o Terra.
Como foi um post bem comentado à época e ainda em homenagem à
semana de aniversário do blog (é amanhã), republico-a:



Ao contrário do que acontece nos grandes centros urbanos, Recife não é, ainda, uma cidade de todo desumanizada. Ainda ontem à noite, quando saía do escritório em direção à universidade presenciei um fato engraçado que me levou a essa feliz conclusão.

Era hora do “rush” e a Pracinha do Diário apinhava-se de gente que ia e que vinha absortos em seus pensamentos, como todas as pessoas que correm sempre em direção a não sei o que, fato comum nas grandes cidades. Ali, naquele burburinho, os josés, joões e marias não percebiam quem passava ao seu lado, como se cada um só existisse em si mesmo.

De repente, um grito: Pega ladrão!
– Que bom, pensei, ainda existe alguém que olha quem passa ao seu lado, principalmente se for uma descuidada dama levando sua bolsa ou até mesmo um executivo, que exibe descuidadosamente sua carteira.

Aquele grito gerou uma espécie de ligação em série de outros gritos, por onde o gatuno corria desvencilhando-se e levando consigo “o fruto do seu trabalho”. Na verdade nenhuma daquelas pessoas estavam preocupadas em segurar o ladrão, pois lhes faltava coragem. Porém, o “ato fisiológico” de gritar os satisfazia plenamente.
Os olhares convergiam em direção à Rua Diário de Pernambuco, local por onde o gatuno fugira, num ato de solidariedade à pessoa roubada que, àquela altura, nem interessava quem poderia ser. Outros, mais distantes do local, davam gritos de incentivo aos que corriam atrás do larápio. O menino do cafezinho, figura comum no dia a dia da cidade, destaca-se ao sair correndo em meio a todos e gritando em tom de brincadeira: “Pega o honesto!!! Pega o honesto!!! – Um ônibus apinhado de pessoas que passava pela pracinha naquele momento, mostrava uma cena pelo menos engraçada, senão grotesca: os passageiros de pé e com as cabeças fora das janelas para melhor contemplarem o acontecimento, davam a idéia de que o coletivo estava tão cheio a ponto de que os passageiros estavam sendo impelidos pelas suas janelas.


Por alguns minutos observei cada uma destas cenas com eventual interesse. A pracinha havia parado; os transeuntes olhavam em direção à Rua Diário de Pernambuco e faziam os mais diversos comentários com o primeiro que passava ao seu lado. Por alguns minutos as pessoas ao menos se comunicavam…

Depois, como todos os outros, retomei o meu caminho e também eu tornei-me um autômato entre os demais.

Recife - PE
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Sua opinião, sugestão e crítica construtiva, sempre será bem-vinda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...