terça-feira, 21 de abril de 2009

Por uma nova inconfidência!


Segundo a Wikipédia, "Tiradentes, o conjurado de mais baixa condição social, foi o único condenado à morte por enforcamento, sendo a sentença executada publicamente a 21 de abril de 1792 no Campo da Lampadosa. Em seguida, o corpo foi levado em uma carreta do Exército para a Casa do Trem (hoje parte do Museu Histórico Nacional), onde foi esquartejado. O tronco do corpo foi entregue à Santa Casa de Misericórdia, sendo enterrado como indigente. A cabeça e os quatro pedaços do corpo foram salgados, para não apodrecerem rapidamente, acondicionados em sacos de couro e enviados para as Minas Gerais, sendo pregados em pontos do Caminho Novo onde Tiradentes pregou suas idéias revolucionárias. A cabeça foi exposta em Vila Rica (atual Ouro Preto), no alto de um poste defronte à sede do governo. O castigo era exemplar, a fim de dissuadir qualquer outra tentativa de questionamento do poder da metrópole."

A tela acima, de Pedro Américo, "retratista" de passagens de nossa história, mostra o esquartejamento de Tiradentes.

Muitos deram a vida pela liberdade e pela democracia da qual usufruímos.

Porém há no Brasil atual, um movimento que de autodenomina de "social", mas nada mais é que um "movimento marginal", pois age à margem da lei e de direitos inalíenáveis, como o "direito à propriedade". É o chamado MST - Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra".

Esse movimento usa a bandeira da "reforma agrária" para, na verdade, implantar no Brasil, pela força das armas e da intimidação social, um estado totalitário marxista, regime de governo, totalmente superado. Para isso utiliza-se do "guarda-chuva" do estado, que, inclusive, financia suas atividades marginais, como invasão de terras produtivas, assassinato de trabalhadores, destruição da propriedade alheia.

Sou a favor da destinação social de terras improdutivas, porém isso deixou de ser, há muito tempo, o objetivo desse movimento. Mandam, desmandam, agem à margem da lei, desrespeitam ordens judiciais, são bem armados e contam com apoio oficial. É o aparelhamento do estado, da "coisa pública", por quem não tem compromissos com a democracia, com a liberdade, com a honestidade.

O Brasil precisa de mais "inconfidentes", que se insurjam contra esse banditismo. É necessário dizer "basta"!

Recife - PE

Comentários
3 Comentários

3 comentários:

Raphael Rocha Lopes disse...

Agostinho, ouso discordar novamente.
Não podemos generalizar alguns marginais com todo um movimento histórico e que só teve a atenção da classe média bitolada quando apareceu na mídia com um ou outro movimento mais firme.
Antes do inalienável direito à propriedade (na realidade, de quem? dos índios donos dessa terras no início de tudo ou dos políticos, latifundiários e especuladores - no mau sentido - que deixam suas terras paradas?) à o direito à vida e à dignidade humana, cuja função social da propriedade tenta ser um lenitivo.
Não vamos nos fiar ou impressionar pelas imagens manipuladas pela rede globo no último evento envolvendo movimento de pessoas sem terras.

Agostinho Lopes disse...

Caro Raphael!

A discórdia é salutar e imprescindível.

E respeitosamente "discordo de sua discordância". hahaha

Mas não me deixo levar por imagens de TV, em especial da Globo. Há muito tempo o MST perdeu, se é que algum dia teve, a sua função social. Não nego, entretanto, que os avanços que se deram na questão da reforma agrária, embora parcos e ineficientes, pois não fixa o homem à terra, não dá condições técnicas de uma agricultura eficiente, se deram à partir da movimentação desse movimento, bem como da Pastoral da Terra e outros movimentos afins.

Entretanto, atualmente, o MST, através de ONG´s que são criadas por seus membros, sugam os recursos destinados a cobrir essas deficiências antes citadas em benefício e enriquecimento de seus próprios membros. Para essas pessoas o que menos importa é uma reforma agrária, pois têm um "projeto de poder" e não se pode tapar o sol com a peneira, negando isso.

Sou plenamente à favor da reforma agrária, da democratização dos meios de produção, do acesso ao crédito e à tecnologia pelos agricultores que trabalham, de fato, na terra.

Mas não compactuo com a cultura de corrupção, de morte e de tomada de poder, perseguido por esse movimento, cujos líderes manobram seus membros em favor dessas causas.

Há de se encontrar ainda neste país, uma forma de fazer, de fato, uma verdadeira reforma agrária.

Manhosa LobaVirtual disse...

Agostinho estou contigo... sempre... podes te deixar levar pelo coração mas nunca por influencias de mídia... pois as conheces bem...
A Globo esta vendida para os homens a muito tempo... risos... e até dou licença a ela... pois vive disto... se for contra... quebra... e mesmo assim ela é ainda o que temos de melhorzinha... risos... as vezes dá uma escapadela...
Este não é o teu caso... razão da tua opinião valer ouro para pessoas que nem eu...

TeAmo

Bjs.

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Sua opinião, sugestão e crítica construtiva, sempre será bem-vinda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...