segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Uniban ou Taleban?


video



Há alguns anos, marquei uma entrevista com uma pessoa indicada por uma funcionária de nosso escritório de consultoria, Topus 3 , para preenchimento de uma vaga que havia sido aberta. A candidata, ao entrar em minha sala, usava uma "micro-saia" que, quando sentou, "pelo sul, se enxergava o norte". Pedi licença à mesma e desci para a sala daquela funcionária que a indicara e lhe pedi que fosse até minha sala e dissesse à amiga que voltasse para casa e que vestisse uma roupa adequada a uma entrevista de emprego e a um ambiente de trabalho. Essa pessoa voltou depois, foi entrevistada e admitida, trabalhando conosco por quase dois anos. Creio que deve haver um mínimo de bom senso na escolha adequada dos ambientes, situações e roupas.

Conto esse fato apenas para ilustrar o que "está na boca do povo", no país inteiro e, quiçá, fora dele, a respeito da aluna do curso de Turismo da UNIBAN, que compareceu à faculdade, usando um micro vestido, que, diga-se de passagem, não lhe caía bem, mas que causou uma reação inconsequente, incompreensível, cínica e hipócrita, de estudantes e professores, achincalhando, xingando e desmoralizando a estudante.

A própria estudante reconheceu que exagerou na vestimenta. Porém, a atitude da "universidade", que no ranking do MEC está situada numa posição acima de 150º, foi a de expulsa-la.





E me pergunto: Esses mesmos "donos da moral e dos bons costumes", alguma vez já promoveram algum ato de protesto contra a própria qualidade de ensino dessa "universidade", que a coloca em posição degradante perante o MEC?

Esses "donos da moral e dos bons costumes", conseguiram naquela noite e conseguem ainda hoje, colocarem a cabeça em seus travesseiros e sentirem-se em paz?

Esses atos impensados, certamente, já deixaram danos à reputação e ao estado psicológico da estudante, mas certamente trará ainda danos de reparação jurídica a essa instituição.

Vejam o vídeo acima e comparem o que essa instituição diz em seus comerciais, com a prática com que são tratados os "diferentes" em suas dependências.



Recife - PE

Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Paula Marina disse...

O que se observa na atitude da maioria dos alunos dessa universidade é que nem sempre pessoas que recebem informações ou conhecimentos, ainda me questiono se aqueles receberam, recebem também educação. Até que ponto aqueles jovens são mais evoluidos que um homem das cavernas? É por essas e outras que eu não acredito na teoria da evolução... O processo que vivemos de fato é a involução...
p.s. : texto muito bem escrito.

Silvia Caroline disse...

É eu concordo que ela exagerou um pouco na vestimenta.
mas mesmo assim, não é motivo para o desrespeito que tiveram com ela e ainda pior, expulsar da faculdade.
beijo.

Ignoto Jardim disse...

A roupa, principalmente no seculo XXI, tornou-se um código. Ao escolhermos uma vestimenta, seja qual for a ocasião, a gente está sinalizando algo. O outro, ou seja, aqueles que nos enxergam, vão decodificar esse código.
A equação é clara e simples: ela sinalizou um codigo, os estudantes decodificaram e pronto. Tava feito o rolo pra coitada da faculdade.
A maldita imprensa quer sempre um fato novo, e foi a mosca no mel. Se a mídia tivesse ignorado, o assunto teria morrido, mas não, deram corda e a moça cresceu no salto, virou exemplo, amanhã as menininhas vão querer imitar.
Existem roupas para todas as ocasiões possíveis. A moça estava vestida para uma balada, talvez, no maximo, para um cinema ou shopping.(já seria exagero, pois a roupa era metade de uma roupa, faltava ao menos, um fuseau, uma meia grossa e preta, uma calça justa, por baixo).Ela causou frisson na aula...ela distraiu os alunos, que certamente ficaram de cochichos e piadinhas...existem fotos que mostram a moça na sala de aula...imagine o rebuliço que causou...ela prejudicou a aula...ela distraiu os alunos...
Ela queria “causar”, queria seus cinco minutos de fama. E conseguiu muito mais.
A uniban errou feio ao expulsá-la, pois apenas deu munição ao inimigo. Antes, eram os alunos que tinham sido taleban, agora é a própria escola. Coitados deles! Ela agora, vai sair famosa e rica. Aguardem. Ela logo será capa de revista e vai publicar livro, aguardem!
A roupa foi vulgar, não é roupa de quem vai para um curso estudar para ser alguém na vida. Se ela queria mostrar aquele corpo espetacular, mostrasse na praia.Ela atrapalhou as aulas e prejudicou a escola. E a escola foi ultra burra e ingênua ao achar que poderia expulsa-la sem pagar caro por isso.

Raphael Rocha Lopes disse...

Muito bom Agostinho. Desenvolvi parecido raciocínio no comentário que fiz ao episódio em meu blog.
Quem dera estes "defensores da moral e dos bons costumes" se preocupassem com a mesma força e intensidade em relação à diarréia política que grassa país afora (ou adentro).
Quem dera acuassem nossos políticos em seus gabinetes com essa mesma gana.
Quem dera!!

Silvia Masc disse...

Ai meu D'us....amei o seu texto, mas confesso que o meu comentário será interrompido para eu tomar um dramin depois de ter lido um certo comentário.
Já vi tanta puta de longo sem decote... bye.

Renatinha disse...

Na GLobo foi exibida uma reportagem na qual foi ouvida a acessoria da Uniban. Eles afirmaram que a garota teria ido para a escola, além com saia curtissima, sem utiliza roupa intima. Isso teria provocado a expulsão, a atitude dela também não foi das melhores.

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Sua opinião, sugestão e crítica construtiva, sempre será bem-vinda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...