sábado, 28 de abril de 2012

Uma declaração de amor!



Não nasci no Recife
mas o Recife é meu pão
de cada dia,
Recife é meu vinho
de cada copo,
meu sangue, minha luz.

Sei que isto é exagero
mas sei que isto é verdade.

A verdade foi sempre exagerada
quando a verdade é paixão.

Recife me fascina e entontece
é feiticeira e azul.
(Tudo que acho belo
é para mim azul).

Recife cortada de rios,
cercada de águas
por fora e sobretudo por dentro.

Vi-te um dia do alto:
era mais que uma cidade.
Eras um lindo bordado
de linhas de águas puras
costurando terras;
uma harmoniosa e rara e diferente
composição de rios e de
gente e de pontes.
Eras Recife.

Vi-te numa noite do alto:
eras luz
eras sombra
(mas sombra luminosa).

Tinhas a esquisita beleza
dos seres iluminados,
de uma luz de ti vinda,
não de fora.

Teus rios estiravam
noturnos e preguiçosos,
mas brilhavam
como se a luz de uma lua
não ainda nascida,
tão puros cristais eram suas águas.

E a noite te trazia mais realce.
Era como se fosses a um baile de rainha
tu, princesa.

De noite, é que revelas
o que, à luz do dia, disfarçaste.

Como toda mulher,
és mais sedutora à noite,
mais beleza e requinte.
És mais Recife.



Sempre Recife - Daniel Lima

(Bem que eu poderia ter escrito esse poema
se tivesse competência para isso)


Recife - PE
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Sua opinião, sugestão e crítica construtiva, sempre será bem-vinda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...