segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Queijos e vinhos: porque combinam tão bem?



Vinhos e Queijos, embora produtos de origem e características totalmente diferenciadas guardam certas semelhanças em seus processos produtivos: ambos são obtidos por processos de fermentação e também os queijos, como os vinhos, podem ser submetidos a processos de amadurecimento ou envelhecimento.
Nos vinhos analisamos informações como estrutura, teor alcoólico, acidez, grau de envelhecimento. Nos queijos, o amadurecimento, aromas e texturas, teores de gordura e sal. É a partir desses elementos, que podemos sugerir as harmonizações mais adequadas.
Como estamos em pleno inverno e como os vinhos mais encorpados são mais indicados a essa época, vamos nesta semana, aprofundarmos mais um pouco sobre esse “excelente casamento”, da degustação de vinhos e queijos.
Uma dica: Na montagem de uma mesa de queijos, sempre organizar com queijos de diversos grupos: frescos, macios ou pastosos, semiduros, duros e azuis.
Tipos e características dos queijos
Tipos/Características
Frescos
Macios
Semiduros
Duros
Azuis
Acidez
Varia de média a alta
Acidez média
Fraca acidez
Baixa acidez
Baixa Acidez
Teor de Gordura
Varia de baixo a alto teor, dependendo do queijo
Varia de médio a alto teor
Varia de médio a alto teor
Médio teor
De médio a alto teor
Untuosidade
Varia de baixa a média
Varia de média a alta
Média
Varia de baixa a média
Varia de média a alta
Aromas
De leve a média intensidade
De média a alta intensidade
De média a alta intensidade
Alta intensidade
Muito alta intensidade
Teor de Sal
Baixo
Médio
Médio a alto
Alto
Alto
Amadurecimento
Nenhum ou muito curto
Curto
Médio
Grande
De médio a grande
Sabor Picante
Muito leve
De leve a médio
Médio
Médio a alto
Médio a alto



Depois de conhecermos um pouco sobre os tipos de queijos e suas características, na tabela abaixo, segue algumas sugestões de harmonização.
Relação entre Queijos e Vinhos
Famílias de Queijos
Tipos de Queijos
Tipos de Vinhos
Frescos
Cream chease, cottage, queijo de cabra fresco, muçarela fresca, minas fresco, mascarpone, boursin, etc.
·         Brancos jovens e leves
·         Tintos jovens e leves
Macios e pastosos
Brie, Camebert, catupiry, Serra da Estrela, queijos de cabra maduros.
·         Brancos de médio corpo
·         Tintos de médio corpo
Semiduros
Cheddar, gouda, edam, provolone, prato, ermental, etc.
·         Brancos de médio corpo a encorpados
·         Tintos de médio corpo a maduros
Duros
Parmesão, grana padano, pecorino sardo, chedar curado, minas curado, etc.
·         Tintos jovens frutados e frisantes (Lambrusco)
·         Tintos robustos e maduros fortificados (Porto)
Azuis
Roquefort, gorgonzola, danish, blue d´Auvergne, etc.
·         Brancos doces (Souternes e Late Harvest)
·         Tintos robustos e envelhecidos fortificados (Porto)

Espero que aproveitem intensamente.


Abraços a todas e todos.

Fonte: Enogastronomia: a arte de harmonizar cardápios e vinhos
Deise Novakoski e Renato Freire
Editora Senac

Publicado originalmente na coluna "Vinhos  & Afins",
do blog "Restaurante em SP", de minha autoria.

Recife - PE
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Sua opinião, sugestão e crítica construtiva, sempre será bem-vinda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...